segunda-feira, agosto 04, 2008

Este blog apóia Jô Morais em Belo Horizonte


A experiência popular iniciada com a eleição de Patrus Ananias em Belo Horizonte ao lado de Célio de Castro deve prosseguir. Não podemos cair na armadilha costurada pelo prefeito petista Fernando Pimentel e pelo governador mineiro Aécio Neves (PSDB). Embora sejam duas figuras com altos índices de aprovação dos governos, a candidatura por eles proposta para o povo de Belo Horizonte possui um projeto político bastante distinto do projeto que governa a cidade há 16 anos. O governo Aécio é um governo que não guarda qualquer relação com compromissos populares. Pimentel também não é o melhor exemplo nesse quesito.

Não é uma questão de deixar de reconhecer méritos administrativos do governo Aécio, mas isso não significa que ele seja popular. É só olhar para seu desempenho na área de saúde, em que investe menos de 6% do orçamento estadual, bem distante dos 12% de investimento mínimo. E nem precisamos entrar na forma que o governo trata seus trabalhadores e os movimentos populares. Mas esse não é um post para analisar o governo Aécio, mas apenas para pontuar que seu compromisso político é bem diferente do sonhado por Patrus e Célio.

Da mesma forma, o governo petista de Fernando Pimentel afastou do modelo de administração popular que governava Belo Horizonte desde 1993. O orçamento participativo foi esvaziado e os movimentos populares deixaram de ter voz na sua administração. O privatismo e a terceirização sem critério tornaram-se regra. Todavia, beneficiado por vultuosos recursos federais em diversas obras viárias do município, o prefeito da capital mineira ostenta elevados índices de aprovação.

Precisa-se retomar o projeto popular em Belo Horizonte. O povo da cidade em diversas ocasiões mostrou apoio a candidaturas comprometidas com o ideário de maior justiça social. Não podemos admitir que projetos personalistas de algumas figuras políticas coloquem o município na contramão de sua história recente. Pimentel, aliando-se a setores do partido que nunca tiveram compromisso com o projeto político de Patrus e Célio – lembrar-se do papel que Virgílio Guimarães protagonizou em 1996 -, e com setores políticos que sempre foram oposição à administração municipal – PSDB, PPS e o próprio PSB após a saída de Célio do partido -, tentam acabar de vez com aquilo que restou de uma visão política comprometida com setores populares. É isso que está em jogo nessa eleição.

A militância política de Jô Moraes (PC do B) no município de Belo Horizonte a credencia com muita honra para a continuidade de um projeto popular. Sua luta ao lado de movimentos populares, habitação, ensino de melhor qualidade, salário dos professores, mostra o valor de sua biografia. Enquanto isso, o candidato da dupla Aécio-Pimentel estava ganhando dinheiro. Tudo bem. Não há nenhum pecado nisso. Mas a população de Belo Horizonte não o conhece, não sabe o que pensa e quem ele representa. A gente desconfia, mas isso é outra história. Escolhido como candidato de gabinete pelo cacifismo político de Aécio e Pimentel, sem qualquer compromisso com a população de Belo Horizonte. A cidade não merece um “prefeito laranja”, de um partido que em Belo Horizonte também é laranja. É isso mesmo, é o que o PSB em Belo Horizonte transformou-se desde a passagem de Garotinho em 1998 (Célio de Castro e outros saíram do partido na época). Um partido-laranja e auxiliar do PSDB. Nada mais.

Márcio Lacerda (PSB), candidato da dupla Aécio-Pimentel, não sabe diferenciar Venda Nova de Barreiro. Nessa semana, em comício em Belo Horizonte, chamou a região Nordeste de região Noroeste. É um candidato que não passa de um pau-mandado do governador mineiro, que não tem a menor idéia dos problemas que a população do município enfrenta. E mesmo assim se julga melhor preparado para ser prefeito. Resta saber quais seriam os segmentos da população que se beneficiariam com sua eleição. Só falta voltar aos tempos do prefeito-contorno. Isso mesmo. Um prefeito que não consegue ver além dos limites que cercam a Avenida Contorno.

A batalha será dura. É o candidato mais rico, com uma aliança política que reúne o maior número de partidos. Ademais, é a candidatura com maior previsão de gastos de campanha. Por fim, o candidato Márcio Lacerda (PSB) terá 12 minutos no horário gratuito, contra apenas 2 minutos de Jô Moraes (PC do B). A vitória de Jô Moraes é uma oportunidade para a população de Belo Horizonte mostrar que o cacifismo político não pode vencer a democracia.

3 comentários:

Jomar Álace disse...

A briga vai ser dura principalmente quando começar o horário eleitoral no rádio e TV e se tornar explícito o apoio de Pimentel e Aécio para toda a população. Na verdade vai ser um teste de influência política desta dupla e ligado a ele de independência de pensamento e posição do povo de BH que estará a prova. Como sempre espero que o povo vença.

Jefferson Milton Marinho disse...

Jomar,
Agradeço o comentário. Pelas regras eleitorais, o Aécio não poderá participar do programa do Márcio Lacerda, pois o PSDB faz parte da coligação (pelo menos formalmente). Não sei qual seria a punição se ele aparecer no programa eleitoral do Lacerda. A provável é que o candidato perca tempo de televisão. Mas isso seria uma punição branda, tendo em vista sua vantagem de tempo de tv.
Abraços, Jefferson

Jefferson Milton Marinho disse...

Correção: O PSDB não faz parte da coligação